A Crônica do jogo

A Crônica do jogo – 3ª Rodada – Internacional  1 x 2 Bahia

Bahia surpreende, vence a primeira e quebra série invicta do Inter na Serra

Tricolor encontra, enfim, a vitória no Brasileiro com sofrido 2 a 1. Time de Dunga amarga única derrota no ano jogando no Centenário, em Caxias

A CRÔNICA

Foi uma noite para inverter a lógica. A temperatura ferveu em campo na fria serra gaúcha. O time antes desprovido de pontaria marcou dois belos gols, e quem não tinha perdido em casa na temporada e tampouco para o rival no Brasileirão desde 1990 precisou conviver com os dissabores. Assim, num domingo de reviravoltas, o Bahia surpreendeu e aplicou 2 a 1 no Internacional, que, em oito jogos, havia tropeçado em um empate no estádio Centenário, em Caxias do Sul, sua morada provisória até o Beira-Rio se aprontar para a Copa de 2014.

Nada se deu, no entanto, sem muita pressão, chances perdidas e nervos aflorados. Segurar o ímpeto colorado no Rio Grande do Sul é desafio para poucos, mas valeu mais três pontos ao baianos, que, com os gols de Ryder e Fernandão (Forlán descontou) se afastam da zona de rebaixamento após a terceira rodada do Brasileirão – ficam em décimo, com quatro pontos e, na quarta-feira, recebem o Botafogo.

nós acreditávamos. Fomos subestimados. Agora, é continuar com a mesma humildade – desabafou um quase emocionado Fahel.

Já o Inter perdeu mais do que o jogo e a invencibilidade. Deixou escapar a chance de permanecer no G-4. É o nono, com quatro pontos e, também na quarta, pode se recuperar fora de casa, diante da Portuguesa.

Tomamos o gol cedo demais – lamentou Rafael Moura, que novamente passou em branco.

Moledo esteve em noite infeliz, e Fernandão balançou as redes

Inter nervoso, Bahia competente

O Bahia repetiu o time do empate sem gols contra o Coritiba, mas não poderia reprisar a atuação. Com apenas um ponto e um gol em duas partidas, era hora de reagir. Mesmo que fosse bem longe de casa, no canto oposto do mapa, num frio pouco comum aos nordestinos: gélidos 12ºC. Ficou menos difícil a tarefa ao deparar com um Inter, embora em boa fase, surpreendentemente nervoso, cometendo faltas desnecessárias e errando passes em escala industrial. Com nove minutos, Gabriel já era amarelado. Logo depois, Ryder se aproveita da inércia vermelha e arrisca de fora da área. Golaço: 1 a 0.

Os quase 6 mil valentes colorados que enfrentaram a baixa temperatura no duro cimento do Centenário transformaram o gol sofrido em combustível. O apoio, no entanto, pouco surtiu efeito em campo. Apesar da pressão, a grande chance não surgiu. Rafael Moura chutou com relativo perigo, aos 25. E Forlán, em mais uma de suas tantas tentativas de marcar um gol olímpico, chegou a enganar parte dos fãs que viram a bola roçar a rede, mas por fora. Perigoso mesmo foi o Bahia, que não aumentou nos contragolpes por pura imperícia de seus avantes, vacilantes no momento do último passe.

Gols, pressão e surpresa na Serra

O roteiro do segundo tempo começou fiel à etapa inicial. O Centenário era testemunha de um Inter robusto, forte no ataque, mas sem finalizações. Já o Bahia… Aos 10, Jussandro cruzou para Fernandão, que cabeceou para milagre de Muriel. Que não conseguiu repetir a façanha cinco minutos depois. Em sobra de escanteio, Fernandão fuzilou e decretou o antes impensável 2 a 0. Assim como ocorrera no primeiro tempo, a torcida colorada não esmoreceu. Ao menos, desta vez, o time correspondeu.

Aos 19, a zaga do Bahia parou e permitiu o ingresso livre de Forlán, que descontou, numa justa recompensa ao – de longe – jogador mais esforçado do time gaúcho. Era sua "despedida", antes de ir ao Uruguai para a Copa das Confederações. O gol esquentou a noite fria na Serra e acirrou ainda mais o ânimo de uma partida tensa, repleta de reclamações de muito trabalho para o árbitro paranaense Edivaldo Elias da Silva. A pressão virou massacre, quase 70% de posse de bola aos mandantes. Mas o que conta não é posse, é gol. E, nesse quesito, o antes ineficiente Bahia inverteu a lógica das rodadas iniciais e foi superior. O Brasileirão mal começou, mas tratou de pregar suas peças.

DESTAQUES DO JOGO

Estatística Menos é mais

A posse de bola do Inter foi à la Barcelona: 69%. Mas o resultado… Melhor para o Bahia, mais efetivo também nas finalizações: só 11, contra 27.

Nome do jogo – Fernandão

Xará do ex-técnico e ídolo colorado, o avante incomodou. Marcou gol e obrigou Muriel a fazer milagre. Também foi o que mais finalizou no Bahia.

ArbitragemJogo duro

O paranaense Edivaldo Elias da Silva teve trabalho, precisou distribuir 11 cartões amarelos, a maioria devido a reclamações, num jogo bastante tenso.

Fonte: GLOBOESPORTE.COM em 02/06/2013

Foto: Alexandre Lopes/Divulgação Inter e Jornal da Mídia