A culpa é dos Políticos Brasileiros

Anselmo Gois culpa os Políticos Brasileiros

O Jornalista Anselmo Gois, em entrevista ao Redação SporTV, fala sobre a relação do Brasil e a Copa do Mundo, além das manifestações ocorridas nos período da Copa das Confederações.


Ancelmo Gois, sobre protestos: 'Fifa não tem culpa, a gente é que foi pedir'

Colunista de 'O Globo' diz que políticos brasileiros são os verdadeiros culpados pelos problemas do país: 'Houve briga nos estados para sediar a Copa'


Em meio aos ataques verbais de manifestantes à FIFA, que reclamam das imposições da Federação Internacional de Futebol no Brasil, o colunista de O Globo, Ancelmo Gois, saiu em defesa da entidade. Na opinião do convidado do "Redação SporTV", a Fifa não é culpada pelos problemas do país, e sim os governantes. O jornalista recordou que o governo brasileiro foi o responsável por pleitear a realização da Copa do Mundo de 2014 (assista ao vídeo).

– Eu queria fazer uma defesa da FIFA. A FIFA não tem culpa de nada, no sentindo de que a gente foi pedir. Madri está pleiteando (as Olimpíadas), mas a cidade é um desemprego só. Metade da juventude está desempregada. Estão chegando ao COI e dizendo "Dá essa Olimpíada para a gente". Toda vez que você abre a chance de sediar a Copa ou os Jogos, os países vão lá e pedem "pelo amor de Deus. Não estou dizendo que a Fifa não tem erro, mas os erros são basicamente nossos – defendeu.

Gois vê FIFA isenta pelos erros de políticos brasileiros
blatter fifa coletiva (Foto: Reuters)

Gois criticou o modo como a Copa de 2014 foi negociada com a FIFA pelos governantes brasileiros. Para ele, não era necessário distribuir o evento por 12 cidades brasileiras.

– Nós pedimos essas subsedes mais do que a FIFA queria dar. Oito é uma coisa, com São Paulo, Rio e Minas. Com 12, inclui-se estados muito pobres e que não têm grande tradição no futebol. Houve uma briga dos estados e governos para sediar – afirmou.

Na visão do jornalista Xico Sá, os políticos poderiam ter diálogo com a população antes de realizar os investimentos para a Copa de 2014.

– O que faltou foi transparência desde o começo. Nos venderam a história de que seria iniciativa privada, que não iria passar pelos cofres públicos. O erro foi esse.


 

Ancelmo Gois afirma: 'O que vai ficar dessa Copa é a imagem da polícia'

Apesar de clima familiar nos estádios, jornalista diz que cenas de repressão contra manifestantes são impactantes. 'Lembram filme americano!'


Durante a Copa das Confederações, uma onda de protestos tomou as ruas brasileiras. Mesmo pacíficos em sua maioria, cenas de vandalismo e confrontos entre policiais e manifestantes exaltados tomaram conta do noticiário. Em algumas cidades-sede, a expectativa para os jogos deu lugar a um clima de tensão e os arredores dos estádios lembraram mais praças de guerra. Para Ancelmo Gois, colunista de O Globo, convidado especial do "Redação SporTV" desta quarta-feira, as imagens vendidas para o exterior durante a competição são impactantes e bem negativas.

– A gente se preparou para mostrar um Brasil mais fraterno, mais bonito, mais colorido… Mas, lamentavelmente, o que tem sido mais impactante são as imagens de polícia, de violência, de bomba e vandalismo. São imagens muito fortes que entram em qualquer noticiário em qualquer parte do mundo. Eu acho que essa Copa das Confederações não tem passado uma imagem positiva do país. De um modo geral, o que vai ficar dessa Copa é a imagem da polícia. Lembra filme americano.

Apesar do cartão de visitas não ter sido o melhor, Ancelmo fez questão de elogiar a organização e a atmosfera dentro dos estádios. O jornalista destacou que boa parte da torcida que vem comparecendo nos estádios para ver os jogos da competição é formada por pais e filhos, criando um ambiente mais tranquilo e simpático.

– Ainda assim, é importante separar o que vem acontecendo dentro e fora dos estádios. Na hora do jogo, a gente tá bem. Dentro dos estádio até agora tem sido uma delícia. Estádio cheios, clima de família…

Confronto entre polícia e torcedores nos arredores do Castelão

confronto polícia torcida castelão manifestação (Foto: Vanderlei Almeida/AFP)

Na visão do jornalista Xico Sá, o  futebol, considerado, às vezes, uma fonte de alienação, desempenha um papel importante nas recentes manifestações que buscam melhores serviços públicos no Brasil. O jornalista vê o esporte como fonte de inspiração para se exigir um país melhor.

– Eu acho um momento riquíssimo. Inclusive, a Fifa devia agradecer estar num país, num ambiente democrático, de reinvidicação. É um momento muito rico para nós brasileiros. Sempre o futebol foi tido como o ópio do povo pela esquerda, pela direita e por todo mundo, mas foi ele que despertou isso tudo. Claro que teve a passagem de ônibus, a realidade brasileira… Mas, hoje, quando se fala em protesto se pensa no tal do padrão Fifa. Os conceitos foram levados pelo futebol, que era o velho ópio do povo e não é mais.

Tabela interativa da Série A: http://uniaotricolorba.com.br/tabelaseriea.asp


Fonte: REDAÇÃO SPORTV

Fotos: Reuters e Vanderlei Almeida/AFP