Balanço da dupla BaxVice

Balanço da dupla Ba-Vi nas cinco primeiras rodadas do Brasileirão

Mais arrumado, Vitória ficará no G-4 durante a Copa das Confederações, enquanto o Bahia, a surpresa, vai figurar na parte de cima da tabela

O Brasileiro começou especial, com Bahia e Vitória voltando a disputar a elite do futebol nacional após 10 anos de desencontros. E a competição chega à pausa de quase um mês por causa da Copa das Confederações melhor do que o esperado para os clubes baianos.

Com o suado triunfo de ontem frente ao Atlético-PR por 3×2, o Vitória é o 2º colocado. Apesar de ganhar o Baiano com um pé nas costas, o Leão foi irregular no primeiro semestre, desclassificado em casa da Copa do Nordeste e da Copa do Brasil.

No Brasileirão, o rubro-negro está mais constante. Na frente os gringos Escudero e, sobretudo, Maxi Biancucchi têm desequilibrado. Ontem, mais uma vez, o pequenino atacante pintou e bordou em campo. Fez um, deu passe pra outro e, com quatro gols, é um dos artilheiros da Série A.

A previsão era otimista, de ficar do meio pra cima da tabela, mas o 2º lugar momentâneo não deixa de ser uma surpresa. “Agora é uma outra fase. Vamos preparar os jogadores, mentalizar forte para ficar no grupo de cima e contratar as peças certas”, afirmou o técnico Caio Júnior após a vitória no Joia da Princesa.

A parada servirá também para esvaziar o departamento médico. Só ontem, foram oito desfalques, sendo cinco considerados titulares. “Vamos ter um descanso físico e mental, é um trabalho quase de pré-temporada”, avaliou Caio. O Leão só volta a trabalhar no dia 18 de junho. Jogo, só 7 de julho, contra o Goiás.

Já o Bahia é a maior surpresa deste início de Série A. Considerado forte candidato ao rebaixamento, o Esquadrão começou perdendo do Criciúma e empatando em casa com o Coritiba. Resultados ruins, mas com um rendimento em campo acima do visto no Baiano, Copa do Nordeste e Copa do Brasil, nos quais o clube só deu vexame.

Os triunfos contra Inter e Botafogo e o empate contra o Vasco mostraram um Bahia aguerrido, inteligente e bem armado pelo técnico Cristóvão Borges. Hoje, é o 6º colocado e faz sua melhor campanha na era dos pontos corridos, que começou em 2003. “Pelo que a gente já mostrou, com todas as dificuldades que tínhamos, e em termos de preparação, que começamos muito atrás, a equipe fez uma mini campanha satisfatória. Vamos ter tempo para treinar, chegada de alguns jogadores e vamos voltar mais fortes”, analisa Cristóvão.

A boa campanha conta com jogadores como Madson, Jussandro e Ryder que, curiosamente, eram reservas pouco aproveitados durante os fiascos do primeiro semestre, e um centroavante, Fernandão, que chegou para compor elenco e é o retrato do time: pouca técnica, muita garra e disposição. É também um dos artilheiros do Brasileirão com quatro gols.

A parada deve servir para o Bahia se reforçar, indiscutivelmente. O clube já anunciou o volante Rafael Miranda, que estava em Portugal, e não pensa em parar por aí. “Depois da Copa das Confederações vamos ter condições de brigar pela parte de cima da tabela de classificação”, acredita Cristóvão.

Fonte: Ivan Marques – iBahia.com.

Foto e arte: Correio da Bahia