Torcidabahia
Uma grande torcida, merece um grande site

‘comprometimento’: Kleina diz que Bahia está no caminho certo

4

Kleina destaca comprometimento e diz que Bahia está no caminho certo

Treinador avalia partida diante do Figueirense e afirma que, na equipe, não existe cadeira cativa. Técnico ainda fala sobre episódio de indisciplina do atacante Rhayner

Uma vitória para desafogar. Foi o que ocorreu na tarde deste domingo, no Joia da Princesa, onde o Bahia bateu o Figueirense por 3 a 0, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro. Em uma partida difícil pelas condições do gramado, o Tricolor conseguiu interromper uma sequência de oito jogos de invencibilidade do adversário e, de quebra, encaixou uma vitória após seis partidas de jejum.   

Após o duelo, o técnico Gilson Kleina comemorou o desempenho do time baiano. O treinador fez questão de destacar o comprometimento dos jogadores e afirmou que a atuação daqueles que estiveram em campo mostra que não há “cadeira cativa” no Tricolor.  

– O grupo começa a mostrar o seu comprometimento e a qualidade de todo o grupo. Se mantivermos essa constante, toda motivação e entusiasmo pelo companheiro que está entrando, o Bahia vai fazer um campeonato seguro. O que tentamos mostrar aqui é que não tem cadeira cativa, todos têm que trabalhar, estar em alto nível. O futebol brasileiro pede isso. É ver quem está melhor – afirmou.   

Diferente das entrevistas concedidas nas últimas rodadas, Kleina avaliou que o Bahia finalmente está no caminho certo. Nos últimos jogos, o treinador havia pedido maior poder ofensivo e melhora no setor de criação. Neste domingo, no entanto, o comandante elogiou todos os setores do time.  

– Acredito que encontramos, sim [a melhor forma de jogar]. Todos os setores foram muito bem hoje. Os jogadores foram decisivos. Iniciamos a vitória com uma bola parada. Tivemos uma movimentação forte com Rafinha, Railan, Guilherme… Foi um jogo em que usamos muito o lado do campo, chegamos muito com ultrapassagens. Botamos mais jogadores no campo adversário. Também tivemos dificuldades quando o adversário mudou um pouco o jeito de jogar. Depois encaixamos de novo, pela inteligência do Marcos Aurélio e Maxi. Colocamos a bola no chão e corrigimos. Espero que consigamos manter para melhorar nessa tabela. Dentro de casa, temos que fazer valer nosso mando. A equipe foi aguerrida. Aproximou tanto para atacar quanto para defender. O que temos que tentar é essa regularidade e repetir essa atuação contra o Botafogo – analisou.  

Na próxima quarta-feira, o Bahia vai até o Rio de Janeiro para enfrentar o time carioca, que perdeu para o Internacional na tarde deste domingo. A partida, válida pela 22ª rodada do Brasileirão, será realizada no Maracanã.  

Confira abaixo outros trechos da entrevista coletiva de Gilson Kleina.

DESEMPENHO DE MAXI BIANCUCCHI

– Maxi já fez uma função espetacular contra o Cruzeiro. Hoje conversei com ele que precisávamos de um homem no desafogo pelos lados. Conseguimos ser coesos e consistentes. Se a gente não tiver vaidade de jogar com dois, três atacantes, quem entrar vai fazer o melhor pelo Bahia.

ATUAÇÃO DE UELLITON

– Fez uma partidaça. Bom por cima. Deu equilíbrio da saída de bola. Só me preocupou, porque começou a colocar a mão na coxa. Eu perguntei se queria sair, ele disse que não, foi guerreiro e foi até o fim. O que a gente cobra do Uelliton é o comprometimento, o profissionalismo. E isso ele está fazendo. Se ele não treina forte, não joga um jogo desse.

RHAYNER FORA DA LISTA DE RELACIONADOS

– A disciplina é em qualquer segmento. Não vamos abrir mão disso. Com o Rhayner, aconteceu, mas a conversa foi no momento em que aconteceu [a discussão]. Era um jogo equilibrado, a gente sofreu a virada, um jogador a menos em campo, o jogador sai com o emocional aflorado. A discussão foi com um membro da comissão técnica, mas tem que ser respeitada a hierarquia. A gente não faz substituição para piorar nem para denegrir ninguém. Faz parte do jogo. Naquele momento, vimos o desgaste dele também. Tivemos uma conversa com ele no intervalo, e ele disse que estava sentindo a posterior da coxa pesada. Tanto que acusou o púbis quando ele voltou de lá. A gente quer confiança, mas temos que entender o respeito com o outro. A disciplina serve em qualquer empresa.

IMPORTÂNCIA DA TORCIDA

– O torcedor é fundamental. Se fizermos partidas como essa, de muita entrega… A torcida joga junto, vê que a equipe está querendo jogar, fazer a vitória. Essa energia é uma coisa espetacular, a atmosfera tem que existir no futebol. Quando você vê que a torcida está apoiado, o jogador tem mais confiança e energia. Claro que existe jogo fácil pelo torcedor, mas pode-se transformar o jogo com o torcedor. Queremos que essa massa venha conosco e nos dê força, onde a gente for tem torcedor do Bahia. A gente tem que ter essa transparência, a entrega em campo. Com essa vontade de vencer, a gente resgata a confiança do torcedor.

Comentários
Carregando...