Crise no Bahia atinge até o marketing

Crise no Bahia atinge até o marketing

Reproduzimos trecho da Coluna “Bate-pronto” do Correio da Bahia, onde trata da incompetência premiada do marketing do Bahia, do “jurássico” Joel Santana e seus métodos ultrapassados, o eterno atraso nos salários e jogadores reservas do Coritiba se “oferecendo” para jogar nestas plagas.  

Bate-pronto: crise no Bahia atinge até o marketing

Que marketing é esse, amigos?
A reformulação do Bahia ainda não afetou o marketing do clube. Ainda… O departamento, comandado por Sacha Mamede, cometeu um equívoco grande. Prestes a anunciar um acordo com a Caixa como novo patrocinado master, o dirigente pediu uma leva com o novo modelo da camisa. O problema, porém, é que o pedido foi feito com o símbolo da OAS. A estreia seria depois de amanhã, contra o Botafogo, no estádio Batistão, em Aracaju. A-ra-ca-ju! Sorte que o pedido foi revisto. A Caixa, por sinal, não está garantida. Tudo por causa da crise tricolor.

O método Joel Santana
A saída de Joel Santana do Bahia foi um alívio para vários jogadores do elenco. De acordo com um deles, o Papai jamais orientou a galera dentro de campo. “Ele é gente boa, motivador, mas não queria que a gente jogasse. falava assim: ‘Titi, a bola que chegar é pra chutar pra onde der. Toró, cola naquele cara ali. Não é pra deixar eles jogarem’. Praticamente esquecia do nosso time. Trazer Joel foi o maior erro do Bahia”, afirmou o boleiro. Agora explicado.

Sempre atrasado
O Bahia afirma ter pago o salário dos jogadores, mas, na verdade, os atrasos chegaram somam dois meses. Quem confirma é um próprio atleta do elenco. “Pagou? A quem? Tem dois meses que a gente não recebe salário. Não tem nada a ver com o desempenho em campo, mas não pra anunciar que está em dia, pois não está”. O mês de maio vence depois de amanhã. Nos dias atuais, não custa nada cumprir a obrigação. Depois vão querer reclamar…

Tem uma vaguinha pra mim?
A coisa não fácil pra ninguém mesmo. No jogo entre Bahia e Coritiba, na última quarta-feira, em Pituaçu, uma cena inusitada movimentou os bastidores. Atrás do gol de Marcelo Lomba, os jogadores do Coxa faziam o aquecimento, quando o meia Lincoln perguntou: “Como é que está o Bahia?”. Após a resposta de um repórter, o jogador avisou. “Estou aí, viu? Se me quiserem…”. O zagueiro Pereira também disse estar disponível para negociar. É a vida!

Fonte: Correio da Bahia

Foto: Blog Agenda-Digital