Em Aracaju só deu #ForaMGF

No Batistão, torcida do Bahia pede saída do presidente

Diversos cartazes e faixas reforçavam campanha longe de casa

Por conta da utilização da Arena Fonte Nova e do Pituaçu para jogos e treinos da Copa das Confederações, o Bahia solicitou à Secretaria de Esportes e Lazer de Sergipe e à Federação Sergipana de Futebol a utilização do Estádio Lourival Batista, pedindo o adiamento do início das obras de reforma da praça sergipana.

Torcida do Bahia furou "público zero", mas campanha não parou 

Nos dois últimos jogos do Bahia em Salvador o público pagante não passou de 3 mil pessoas. Um número minúsculo, se comparado à grande quantidade de torcedores que costumam comparecer aos jogos do tricolor baiano. O motivo: uma campanha de "público zero" pela saída do presidente do clube, Marcelo Guimarães Filho.

A perspectiva da diretoria era captar um bom público de apoiadores locais do Botafogo, curiosos em geral, e talvez torcedores do Bahia "desavisados" da campanha. A verdade é que a expectativa melhorou após a convincente vitória da equipe contra o Internacional fora de casa, na rodada anterior.

Dito e feito, a torcida do Bahia compareceu em peso e lotou a arquibancada azul do Batistão, tradicionalmente ocupada pela torcida do Confiança. Mas a presença não significou o fim da postura crítica da torcida.

Nas arquibancadas do Batistão estavam presentes incontáveis faixas e bandeiras com uma mesma frase "FORA MGF", em alusão ao presidente Marcelo Guimarães Filho. O gesto servia como um recado aos companheiros de clube em Salvador: não esquecemos dele!

A principal torcida organizada do clube era taxada de "chapa branca", mas tem mudado a postura

Por fim, mesmo após a virada sobre o Botafogo, numa grande atuação do time baiano, e o acúmulo de 7 pontos em quatro partidas, ainda era possível ouvir do lado de fora do estádio muitos torcedores gritando pela saída do presidente. Provavelmente ainda durará um bom tempo a dor de cabeça do cartola tricolor.

Entenda o caso

Os torcedores do Bahia se uniram na campanha que tentava impedir qualquer torcedor de comparecer aos jogos do clube dentro de casa, na expectativa de forçar a renúncia do presidente Marcelo Guimarães Filho, cartola do clube que integra o grupo político que comanda do Esquadrão de Aço há quase 30 anos.

O clube está na Série A do Campeonato Brasileiro, mas os péssimos resultados contra o rival Vitória (5×1 e 7×3), além da perda do Campeonato Baiano e a eliminação da Copa do Brasil, voltaram a estremecer o poder no Bahia.

A campanha lembra muito a que aconteceu em 2007, quando o clube se encontrava na Série C do Campeonato Brasileiro e era comandado por Petrônio Barradas, considerado um laranja do antigo cartola Paulo Maracajá. Ele substituia Marcelo Guimarães "pai", deposto pela queda à Serie C.

A revolta da torcida, no entanto, não se resume aos resultados dentro de campo. Há anos uma série de denúncias de irregularidades na gestão do clube tem vindo a público, envolvendo grandes nomes da política nacional, como o banqueiro Daniel Dantas.

Até o colunista do Portal Infonet, Paulo Victor Melo esteve presente no Batistão

As denúncias envolvem desde desvio de recursos provenientes da venda de jogadores formados nas categorias de base do clube, desde a venda do patrimônio do Bahia para fins particulares. O Bahia já foi alvo de intervenção judicial e suas últimas eleições tem sido alvo de críticas, taxadas como fraudulentas.

A torcida do Bahia também vem exigindo o direito à associação para participar da vida política do clube, numa tendência de mobilização que vem crescendo muito no Brasil. O Bahia atualmente tem um conselho muito restrito e aliado ao grupo de Paulo Maracajá e Marcelo Guimarães Filho.

Fonte: Irlan Simões – Portal Infonet

Fotos: Portal Infonet