Freddy Adu: Quase baiano…

Freddy Adu brinca com apelido baiano e revela: "gosto de Oito7nove4"

Jogador revelou bom humor


Freddy Adu chegou ao Bahia cercado de expectativas e, mesmo após mais de três meses, o torcedor não pode fazer uma análise apurada do jogador de 24 anos. São só quatro partidas – todas elas entrando no 2º tempo, a poucos minutos do fim. Mesmo assim, o americano acredita que pode ser útil. No treino de ontem, marcou até um gol. Sempre alegre, tido pelos companheiros como o mais querido do elenco, ele projeta um futuro grandioso no Esquadrão. Em um bate-papo descontraído com o CORREIO, onde respondeu todas as perguntas em português, Adu falou sobre tudo. Confira!

Alegria do grupo tricolor, Freddy Adu fala bem o português e já se sente em casa em Salvador

Que achou da Copa das Confederações? E do Brasil?

Gosto muito do futebol brasileiro. Quando a Seleção Brasileira joga, sempre assisto, pois eu gosto de jogo bonito. O Brasil ganhou contra a Espanha e todo mundo fala: ‘pô, o Brasil voltou’. Futebol é a minha vida. Gosto muito de acompanhar todos os jogos e quero ficar aqui no próximo ano, jogando no Bahia.

E Neymar?

Joga muito (Risos). Foi o melhor jogador da Copa das Confederações e acho que vai se sair muito bem no Barcelona. Ele é muito importante para a Seleção Brasileira, faz coisas diferentes.

Você espera jogar mais no segundo semestre?

Sim, sim, sim. Só espero a minha chance. Tenho que trabalhar e, quando tiver a chance, mostrar que mereço. Mas se o treinador acha que o outro jogador pode ajudar mais, está tudo bem. Meu trabalho é vir aqui e, quando tiver chance, ajudar o time.

Porque acha que ainda não teve uma sequência?

Mudou muito de treinador. Quando o novo (Joel) chegou, não me conhecia muito bem. Por isso tem que mostrar sempre que é bom jogador.

O que acha de Salvador?

Gosto muito de ir pra praia. Tenho companheiros que são ótimas pessoas. Ryder, Douglas Pires, Rafael Donato, que moram perto de mim. Sempre vou pra casa deles, fazemos um churrasco, na área de Praia do Flamengo.

Jogador revelou bom humor

Muita gente no clube diz que você é quase um baiano…

(Gargalhadas) A adaptação foi rápida. Eu gosto muito da cultura do Brasil. A vida não é longa e temos que aproveitar. Tenho um bom trabalho e posso ajudar minha família. Por isso estou sempre feliz.

Sua família conhece a cidade?

Eles estão nos EUA, mas vou trazer eles aqui. Minha mãe e meu irmão vem em agosto.

E em relação à música daqui. Gosta de escutar?

Gosto de Oito7nove4. É assim: ‘Dá um abraço, dá o outro, faça o movimento…’ (canta). Eu gosto muito dessa! Essa música é fera pra mim. Mas eu gosto mais de hip-hop, porque é a minha cultura nos Estados Unidos.

Qual o seu maior sonho?

Hum… Quero jogar na Copa. Jogar na Liga dos Campeões da Europa. Por isso eu assinei com o Bahia. Quando você joga bem aqui, todos os times do mundo querem você.

Dá pra voltar à seleção?

Claro que sim. Já falei com o treinador e ele disse que eu tinha que jogar na liga mais forte. Se tinha a oportunidade de jogar no Brasil… Porra, tinha que jogar aqui. Tem tudo aqui agora: Copa do Mundo, Jogos Olímpicos. O Brasil está muito forte e os clubes estão com mais dinheiro. Todo mundo quer jogar aqui.

Quem é Freddy Adu?

Como jogador, Freddy Adu é um cara que joga bonito, joga feliz. Como pessoa, também. Sempre feliz.

Seu português está ótimo. Soube que você faz umas gracinhas com os jogadores…

Que nada. Meu português está fraco. Gracinhas é mais fácil. Gosto muito dos meus companheiros de time. Sempre todo mundo brincando. É como uma família, é bom. Meu antigo time não tinha isso. Tinham vários grupos. Aqui todo mundo está junto.

Seria o jeito brasileiro?

É isso… Quando eu saio de casa todo mundo brinca. Aê Freddy Adivis! E aí Freddy Adivis? É bom demais.

Tabela interativa da Série A: http://uniaotricolorba.com.br/tabelaseriea.asp


Fonte: Miro Palma – Correio*

Foto: Robson Mendes – Correio*