‘Não houve palavra mágica’

‘Não houve palavra mágica’, diz Cristóvão sobre mudanças no Bahia

Desde a chegada do treinador, time mudou de postura dentro e fora de campo. Após crise, equipe conseguiu engatar boas atuações no Brasileirão


'Eles acreditaram nas nossas ideias, aí o resultado veio', diz Cristóvão Borges

Após as notícias sobre polêmicas e crise do Bahia, que dominaram o primeiro semestre tricolor, o noticiário foi substituído por comentários sobre a mudança de postura da equipe. Eliminado precocemente da Copa do Nordeste e da Copa do Brasil, vice-campeão baiano, goleado duas vezes pelo Vitória, o Bahia entrou no Campeonato Brasileiro desacreditado. No entanto, o time surpreendeu e conseguiu fechar a 5ª rodada do torneio – quando se iniciou a pausa para a Copa das Confederações – em 8º lugar na tabela de classificação. Nos treinos, clima ameno em vez de tensão.

Nas entrevistas coletivas, os jogadores apontavam um “culpado” para a transformação da equipe: Cristóvão Borges. Seguidamente, os atletas atribuíam ao treinador, contratado no meio do mês de maio, a responsabilidade pelo “novo Bahia”. Questionado sobre o método “milagroso” utilizado, o técnico não faz mistério.

– Não houve palavra mágica. Fizemos uma análise, detectamos aquilo que o grupo precisava, era um momento complicado e difícil. Um clube, um grupo e uma torcida com autoestima baixa, necessitando moralizar, precisando de vitórias. Nós só mostramos, na parte teórica, de que maneira nós poderíamos fazer isso. Na parte prática, de campo, a metodologia do nosso trabalho foi bem recebida e aceita – explica Cristóvão.

– Eles acreditaram nas nossas ideias, e aí o resultado veio. Mas numa coisa direta e muito clara de tudo. De todas as conversas que tivemos em relação à nossa situação. Sempre uma coisa muito clara e sempre mostrando para eles também a força que eles têm quando se juntam. Nós vamos conseguir qualquer coisa se juntarmos força. Foi por aí que nós fomos e, felizmente, conseguimos resultados – completa.

'Hoje é uma equipe moralizada, motivada, alegre', afirma o treinador do Bahia

Com a serenidade como marca registrada, Cristóvão prega transparência e clareza como método de trabalho. Hoje, pouco mais de um mês após sua chegada, o treinador enxerga em campo um quadro diferente daquele que encontrou ao ser recebido no Fazendão.

– O quadro mudou. Resgatamos muita coisa importante para o futebol, para o grupo, para a gente continuar com essa campanha. Então hoje é uma equipe moralizada, motivada, alegre, que trabalha com prazer e com a torcida acreditando mais. Isso dá força. Então todos nós estamos muito contentes.

Com duas vitórias, dois empates e uma derrota, o Bahia tem 8 pontos e detém a 8ª colocação do Brasileirão. No entanto, das 38 rodadas da competição, passaram-se apenas cinco. Ciente de que muita coisa ainda está por vir, Cristóvão Borges coloca os pés no chão, sem perder a confiança.

– Tudo isso é muito recente. Estamos no começo. Falta muito. Jogamos só cinco rodadas, o campeonato é muito longo, e temos muito a realizar. E temos muito o que corresponder ainda. Então precisamos continuar trabalhando e acreditando naquilo que estamos fazendo, que, com certeza, vai dar certo – finaliza.

Fonte: GLOBOESPORTE.COM

Foto: Thiago Pereira – GLOBOESPORTE.COM