Torcidabahia
Uma grande torcida, merece um grande site

O Napoleão do Bahia

5

Estudos já realizados por sociólogos em São Paulo revelaram que, quando o Corinthians perde campeonatos ou jogos importantes, a produtividade das indústrias paulistas decresce

É o efeito econômico ligado a clubes de massa, a revelar a força social do futebol.

É esse mesmo fenômeno que explica a reação da torcida do Esporte Clube Bahia contra os desmandos de Marcelo Guimarães Filho, cuja incompetência é agravada pela insensatez de querer continuar na presidência do clube, mesmo arrastando-o à pior crise de toda a sua existência. O movimento “Bahia da Torcida” é apenas uma reação necessária e legítima do torcedor, que, aliás, foi paciente, durante muito tempo, com o descalabro administrativo no tricolor, sem igual no Brasil.

Marcelo Filho meteu na cabeça que é dono do Bahia, da mesma forma que poderia julgar-se Napoleão Bonaparte, pois a megalomania costuma manifestar-se através de várias formas. Talvez seja conveniente lembrar que até Napoleão acabou desmoralizado e foi escorraçado pelos russos na histórica derrota de 1812. Em suma, ele age com uma compulsão que o leva a ficar absolutamente insensível ante a possibilidade de estar levando ao extermínio uma das principais forças populares do futebol brasileiro e a principal do Nordeste. As derrotas no Brasileirão já começaram.

O presidente do Bahia alega que não renuncia porque sua permanência é legal (fato que muitos contestam e está sendo objeto de controvérsia jurídica). Na verdade, porém, não se trata de ser ou não legal. Sua renúncia se impõe por motivos éticos e esportivos. Já não tem condições de permanecer no cargo, pois é um cidadão acuado, que age de forma emocional, de maneira tão irrealista que julga poder enfrentar e vencer uma das maiores e mais apaixonadas torcidas do futebol brasileiro. Torcida, de resto, que progressivamente foi perdendo o entusiasmo e o brilho, abafada pela escuridão que emana dos atos da diretoria como um jorro maléfico sobre a alegria do povo.

No entanto, a grande fonte de renda do Bahia é a presença da sua torcida. Todos os demais patrocínios dependem do comparecimento maciço que faz do Bahia o que se convencionou chamar de “um clube de massa”. Se os torcedores se ausentam, de onde Marcelo Guimarães Filho vai extrair recursos para sustentar sua ambição de poder? A sobrevivência desse dirigente depende da presença dos torcedores que ele hostiliza.

Até do ponto de vista da sua segurança, é traumática a situação do presidente do Bahia, que dificilmente se arriscaria, hoje, a andar por Salvador, sem o biombo da sua poderosa guarda pessoal. A violência é sempre condenável, mas registremos que ainda recentemente torcedores revoltados depredaram o Fazendão. Nem custa lembrar que multidões enfurecidas são como manadas desembestadas.

Tão fácil seria ao presidente contestado convocar representantes da coalisão “Bahia da Torcida” para uma reunião e saída honrosa, que preservasse o Bahia do desastre final, através da racionalidade de um novo planejamento! No entanto, em total descontrole, o homem investiu ainda há pouco em termos grosseiros contra o governador e a primeira dama do Estado, atacou jogadores campeões brasileiros e desafetos políticos, qualificando a senadora Lídice da Mata de “prefeita dos ratos”. Só não explicou se os ratos invadiram também o Bahia.

No último dia 17, numa reunião histórica na Fonte Nova, o espírito libertário do Dois de Julho baixou sobre a massa tricolor em retumbantes protestos. Havia cartazes denunciando até Paulo Maracajá, que botou na direção seus apaniguados e hoje se recolheu a proveitoso ostracismo. A grande diferença é que em 1823 os bravos baianos botaram para correr as tropas lusas do general Madeira, enquanto agora quase sete mil tricolores exigiam a cabeça de um único homem, sem liderança e desprestigiado.

E vejam que ironia! Hoje, o grande adversário do Esporte Clube Bahia não está em campo, mas oculto nos bastidores: é o próprio presidente Marcelo Guimarães Filho, obstinado em seu afrontoso desafio de permanecer.

 

Leia também:
Técnico Cristóvão Borges disse que o Bahia merecia ter vencido
Loja assaltada, trio de volantes de volta, clube sem moral, protestos: Metástase da crise
Efeito multiplicador: Mesmo com criação da Timemania, dívida de clubes crescem
Bahia 0x0 Coritiba: Muro das Lamentações

*jornalista, membro da Academia de Letras da Bahia

Fonte: JC Teixeira Gomes. – Para A Tarde – Coluna “Opinião” em 30/05/2013

Comentários
Carregando...