Público zero?…

Torcida do Bahia esquece 'público zero' e time se desculpa

Mais de 24 mil torcedores estiveram presentes ao jogo na Arena Fonte Nova


Público zero? No último domingo, 7, pelo menos, não. Os mais de 20 mil tricolores que comparecem à Fonte Nova mostraram que o lado passional de um torcedor geralmente fala mais alto. Até as torcidas organizadas estiveram em bom número no estádio.

E a galera incentivou o tempo todo. Até com o placar já em 2 a 0, coros em massa de "Bahêêêêaa…" ecoavam na Fonte Nova. A situação gerou consciência pesada nos jogadores, que lamentaram a má atuação, pediram desculpas à torcida e clamavam para que a campanha 'Público Zero' não voltasse.

"Primeiramente, temos que valorizar o comportamento da torcida. O que vimos hoje (domingo) foi lindo. Foi uma motivação extra para o jogo. Tivemos durante todos os 90 minutos um calor forte da torcida. E pedimos que ela continue assim. O Bahia está passando por um processo de reerguimento, que passa, em muito, pela participação dos torcedores", declarou o zagueiro Titi.

O volante e capitão Fahel foi no mesmo tom, além, de aproveitar para fazer um mea-culpa. "A torcida  foi extraordinária, encheu o estádio e nos apoiou todo o tempo. Peço que continue assim. Porém, todos nós reconhecemos que ela merecia uma atuação melhor. Nossa derrota não tem explicação", disse.

Culpa é de todos – O discurso de Fahel foi essencial para proteger aqueles que poderiam ser escolhidos como bode expiatório para a derrota. Os garotos Anderson Talisca e Madson, únicos da base que atuaram como titulares, foram apupados após o jogo.

Titi os protegeu: "Erramos todos. A culpa em nada tem a ver com os dois. Fizemos uma partida aquém do esperado e pedimos desculpa a torcida. Havíamos conseguido trazer ela de volta ao estádio por nossas boas atuações no início do campeonato. E é isso que podemos prometer. Manter o nível dos jogos anteriores para fazer com que os torcedores não se afastem outra vez", afirmou.

O técnico Cristóvão Borges, no fim, resumiu a atuação. "O Corinthians é muito qualificado, é campeão do mundo. Estamos buscando o melhor nível e, neste sentido, vejo sempre o Bahia crescendo. Claro que contra uma equipe do nível do nosso adversário de hoje (domingo), não podemos facilitar, pois aí a gente paga caro. E foi o que aconteceu", disse o treinador.


Tabela interativa da Série A com atualização online

http://uniaotricolorba.com.br/tabelaseriea.asp


 

Fonte: Ricardo Palmeira – A Tarde

Foto: Eduardo Martins – Ag. A Tarde