Qual é o preço de sonhar Bahia? Por Daniel Cartaxo

Torcida do Bahia

Bom dia nação tricolor, venho aqui de público dizer a todos vocês que sonhar não custa tão caro assim. Pelo contrário nação, sonhar é gratuito e é uma força boa e poderosa que nos move e nos impulsiona para frente, movimentando os nossos instintos para entrarem em ação e irem em busca dos nossos ideais e sonhos reais.

Eu acho que o que faltou ao Bahia nesses três últimos jogos em 2017, foi essa capacidade de sonhar, e sonhar quando eu digo, é sonhar alto pessoal. Viver é acreditar, se esforçar, guerrear e nunca desistir. O Bahia foi apático nesse fim de Brasileirão e isso custou o sonho da Libertadores. Infelizmente isso aconteceu no elenco do Bahia dessa feita também.

Aí vocês me perguntam: o que eu quero dizer com tudo isso? Eu quero dizer pessoal que eu ainda lembro daquele Bahia de 88, naquele tempo em que eu era feliz e não sabia, pois isso não passou e nem nunca vai passar. Quando o Bahia entra em campo, cada vez, eu ainda sinto aquela mesma emoção daquela época, mesmo tendo naquela época apenas 8 anos de idade, eu era um garoto muito consciente e já acompanhava o Bahia desde os 4 anos. Eu me lembro que eu jogava futebol de salão desde esse tempo e que me destacava como um bom driblador. Lembro também que eu colecionava o álbum de figurinhas do Campeonato Brasileiro desde 1987 e, a partir de 88, eu sempre conseguia completar esse álbum com todas figurinhas.

Foi também em 1988 que eu fui com meu pai pela primeira vez na Fonte Nova e vi o Bahia ganhar do Cruzeiro de Minas Gerais por 2 a 1. A partir daí nunca mais deixei de frequentar a Fonte Nova. Lembro também da campanha de 90, quando o Bahia foi para as semifinais do Brasileirão e eu estava lá presente no jogo que classificou o Bahia para as Semi na Fonte também: Bahia 3×2 Bragantino.

O que eu quero dizer com tudo isso Nação Tricolor é que, só realizamos nossos sonhos quando temos antes essa capacidade de sonhar. Capacidade essa que é o primeiro passo para botarmos nossos sonhos em prática, ou melhor fazê-los deixar de ser apenas sonhos, mas transformá-los em ação e futuramente em realidade. Pois eu venho dizer que é a força desse sonho inicial que nos faz começar a concretizar tudo que desejamos de verdade. Será que o Bahia perdeu essa capacidade de sonhar??

Deixo essa pergunta para vocês responderem para mim. Eu acho que sonhar é gratuito, mas não fica barato nunca Bahia!! E para o futuro desse nosso amado clube eu desejo que ele reaprenda a sonhar, pois emocionar ele já emociona até hoje o seu torcedor, aliás desde sempre. Comovente na vida é ver o Bahia jogar… Mas falta um pouco de ambição e sonho pessoal, para ele voltar a ser um grande campeão como em 59/88.

Para a temporada que vem eu desejo que os dirigentes e jogadores do Bahia se conscientizem disso, que tudo começa dentro da gente, nessa nossa vontade, nesse ímpeto de querer mudar, e mudar a realidade ao nosso feitio (que é o mesmo que sonhar). E é assim que transformamos o mundo, imaginem se eu mesmo não tivesse tido a capacidade de sonhar em ser um escritor, eu nunca estaria aqui escrevendo essa crônica para vocês.

Enfim, se existe um pouco de prazer em sofrer, como diria em sua canção (Ivan Lins), “querer te ver talvez eu fosse capaz, perto daqui ou tarde demais” e continua: “dos beijos que escrevi nos muros a giz, os mais bonitos continuam por lá, documentando que alguém foi feliz”.

Então nesse momento eu só queria te dizer uma coisa Esporte Clube Bahia: Lembra de mim??!!

Daniel Cartaxo Penalva, é colaborador do Torcidabahia.com. O conteúdo desse post expressa a opinião do autor, que é plenamente responsável pelo mesmo.
Leia também:
Empresário declara que Eder está deixando o Bahia rumo ao Novorizontino
Santos está interessado em Diego Cerri, mas presidente diz desconhecer negociação
Guilherme Bellintani avalia proposta do São Paulo por Jean: “Ainda não é suficiente”
Lateral-esquerdo Juninho Capixaba é sondado pelo Corinthians