Torcidabahia
Uma grande torcida, merece um grande site

Torcedor que deu camisa do Bahia a Neuer sonha em conhecer a Alemanha

3

Torcedor que deu camisa do Bahia a Neuer sonha em conhecer a Alemanha

Os pouco mais de 25.000 habitantes de Santa Cruz Cabrália, pequeno município do litoral sul baiano, estavam ressabiados com a confirmação de que recepcionariam a seleção da Alemanha durante a Copa do Mundo do ano passado. Afinal, a delegação europeia rejeitara todas as opções de hospedagem sugeridas pela Fifa para construir ali, na vila de Santo André, a sua própria concentração. A expectativa era de que haveria um convívio distante – “frio e até militar”, nas palavras de Damião Dias Pinto, superintendente de Esporte e Lazer da cidade – com a população local.

O próprio Damião, que hoje sonha em fazer turismo na Alemanha, não demorou a perceber o contrário. Um ano antes, ele conheceu Oliver Bierhoff, ex-jogador e diretor esportivo da seleção germânica, e surpreendeu-se com a “pessoa muito simples e acessível” que estava interessada em reunir os futuros tetracampeões mundiais em Santa Cruz Cabrália. Mal imaginava que os nada altos muros do Campo Bahia ainda abrigariam fãs de churrasco e telenovelas, conforme o atacante Lukas Podolski se declarou com publicações em português em redes sociais, e até novos torcedores de um clube local. “Bahea! Bahea! Bahea!”, aprenderam a gritar o goleiro Manuel Neuer e o meio-campista Bastian Schweinsteiger para saudar o Esporte Clube Bahia.

A ligação dos alemães com a equipe tricolor se estreitou no primeiro treinamento aberto realizado em Santa Cruz Cabrália, antes mesmo da estreia no grupo G da Copa do Mundo. Na ocasião, sob calor intenso, os comandados de Joachim Low vestiram uniformes com a inscrição “Feliz por estar aqui” gravada no peito e esbanjaram simpatia em meio a uma atividade tática. O aniversariante Miroslav Klose, então completando 36 anos, chegou a se posicionar no centro de uma roda de índios pataxós de aldeias da Coroa Vermelha para ser festejado. Ganhou um chocalho e um arco e flecha de presente.

Feliz por estar ali, Damião ajudou a transformar o tetracampeão Neuer em um ilustre torcedor do Bahia – Acervo Pessoal

O ambiente festivo fez Damião Dias Pinto ficar à vontade no gramado do centro de treinamento da Alemanha. Com uma bola Brazuca debaixo do braço, o superintendente de Esporte e Lazer do município baiano passou a recolher autógrafos dos jogadores alemães e a tirar fotografias com quem via pela frente. “O que eu queria mesmo era uma camisa de recordação, mas já tinham jogado quase todas para a arquibancada. Foi aí que percebi o Neuer ainda com a dele, me aproximei e pedi”, contou, ressalvando que teve o auxílio de uma tradutora da delegação da Alemanha para se comunicar.

Neuer também tinha um pedido a fazer. Ao notar que aquele torcedor envergava um uniforme listrado do Bahia – com o nome “Damião Dias” e o número “13” impressos nas costas –, ele não titubeou diante da oportunidade de levar para casa uma lembrança do seu “Bahea”. “O Neuer reconheceu o escudo do Bahia e teve a iniciativa de propor a troca. Fiquei meio reticente porque tinha acabado de ganhar aquela camisa de um amigo, algo muito simbólico. Era personalizada, do meu time do coração. Não tinha caído a ficha do que estava acontecendo ali”, comentou Damião, que recebeu apoio para passar a encarar aquela transação como imperdível. “Você tem noção do que fez? Trocou de camisa com o Neuer!”, exclamou Alexandre Carvalho Leite, vice-prefeito de Santa Cruz Cabrália.

Neuer argumentou que queria a camisa do Bahia para homenagear Dante, seu companheiro de Bayern de Munique e tricolor declarado. O meio-campista Schweinsteiger já possuía um uniforme branco do clube brasileiro, presente do próprio zagueiro. “Pensei que eles só fariam um vídeo qualquer com os uniformes e mandariam para o Dante, como a tradutora me disse. Mas, quando chegaram ao hotel, os dois saíram pulando e tentando cantar o hino para a câmera, acompanhados do motorista deles e de mais alguns funcionários. E o Neuer com a minha camisa! Essas imagens correram o mundo!”, celebrou Damião.

UNIFORMIZADOS, NEUER E SCHWEINSTEIGER CANTARAM O HINO DO BAHIA

De fato, o gesto repercutiu bastante. Neuer precisou até explicar em uma entrevista para o jornal A Tarde: “Sei que o Bahia é um time de uma torcida muito grande, apaixonada. É o mais popular do Estado. E ainda tem um hino bem empolgante. Desde que soube que ficaríamos aqui, quis conhecer um pouco mais do clube. Já gostava por causa do Dante”. Tamanho entrosamento – mais tarde, Podolski e Schweinsteiger também se promoveram com camisas do Flamengo – foi capaz de comover até parte da torcida do Vitória residente em Santa Cruz Cabrália. “Para ser sincero, algumas pessoas da cidade estavam torcendo mais para a Alemanha do que pelo Brasil na Copa do Mundo”, admitiu Damião.

Mas torcida não entra em campo – a não ser nos treinos abertos da Alemanha. Em 8 de julho de 2014, há exatamente um ano, o Mineirão recebeu quase 60.000 torcedores da Seleção Brasileira, três vezes mais gente do que a população de Santa Cruz Cabrália. Nada adiantou. De Fortaleza, onde havia acompanhado no Castelão a vitória do Brasil sobre a Colômbia nas quartas de final, Damião viu com um grupo de amigos o time defendido por Dante ser humilhado com uma derrota por 7 a 1 em casa. “Quando voltei para a minha cidade, não encontrei abatimento. A vida seguiu normalmente, ao contrário do que aconteceu em outros lugares do País. Todo o mundo aqui já pensava só no título da Alemanha”, rememorou.

E, para quem acha que a Seleção Brasileira se comportou como um time de garotos contra os alemães, Damião relembrou um tropeço dos campeões do mundo diante de uma equipe ainda mais imatura do que a de Luiz Felipe Scolari. “Veja que diferença para o Brasil, que se manteve longe do povo. A Alemanha visitou uma escola pública da nossa cidade e distribuiu presentes, jogou bola. O pessoal diz que os únicos que venceram os alemães foram os meninos do colégio da vila de Santo André. O garoto que marcou o gol está orgulhoso até hoje”, sorriu.

Com as manchas do treino de um ano atrás, camisa de Neuer foi parar em um quadro – Acervo Pessoal

Na decisão do Mundial, a Argentina esteve próxima de repetir o feito dos estudantes baianos, porém acabou castigada pelo gol de Mario Gotze na prorrogação. “Antes desse jogo, os alemães vieram se despedir dos moradores da nossa comunidade. Atravessaram a balsa e deixaram tantas coisas com a multidão que quase saíram pelados. Foi muito emocionante. Depois, fizemos uma grande festa entre nós para comemorar o título. Dá até saudades”, reconheceu Damião, confiando que o seu sentimento seja recíproco. “No Maracanã, os alemães repetiram a dança que aprenderam com os nossos índios. É o canto de quem vai para a guerra, algo muito forte na cultura indígena, assim como as pinturas que fizeram no rosto. Funcionou bem, não?”, perguntou.

Hoje, o torcedor que deu o uniforme do Bahia para Manuel Neuer guarda com carinho a camisa da Alemanha que ganhou em troca. Está enquadrada em sua casa, com as manchas do treinamento de um ano atrás preservadas e algum resquício de grama do campo da vila de Santo André. Damião brinca que aceitaria vender a recordação para custear o seu casamento, marcado para 2016. E não hesitou na hora de imaginar um lugar ideal para a lua de mel.

“Conhecer a Alemanha passou a ser um sonho. Quem sabe um dia eu possa assistir a um jogo do Bayern de Munique lá? Virei torcedor, também por causa do Dante. Sou Bayern até quando jogo videogame”, avisou o tricolor, que encheria a sua bagagem de camisas do Bahia para promover novas trocas em solo alemão. “Eles adorariam, assim como o Neuer. Falaram muito do Podolski na Copa do Mundo, mas o Schweinsteiger é um cara ainda mais legal, sempre sorridente. Foi ele quem liderou os outros na dança com os índios.”

Já com a medalha de campeão do mundo no peito, Schweinsteiger havia retribuído a hospitalidade nacional em seu discurso após a vitória diante da Argentina. “Brasileiros? Fala, mermão”, ele cumprimentou, em bom português, quando foi abordado por um grupo de jornalistas no Maracanã. “Sorrimos bastante aqui. Foi um torneio incrível para nós. As pessoas foram muito respeitosas e amigáveis mesmo depois de enfrentarmos o Brasil. Amo esse país, onde todo o mundo é feliz. Não é como a Alemanha. Lá, ficamos tristes às vezes”, comparou o alegre meio-campista.

Em Santa Cruz Cabrália, no entanto, a população já se convenceu que os alemães são tão quentes quanto o clima da região. Damião lembrou que a cidade conta com um grupo de imigrantes do país europeu e incrementou a sua visibilidade turística. “Já tínhamos muitos atrativos aqui, mas agora todo o mundo quer conhecer o local onde a Alemanha ficou na Copa do Mundo”, disse, embora uma visita além dos muros da antiga concentração dos tetracampeões não seja tão acessível como Neuer e os seus companheiros. Transformado em um resort de luxo, o Campo Bahia chega a ter diárias cobradas em euros que superam os R$ 8 mil.

Damião colecionou fotografias com os carrascos da Seleção na Copa do Mundo, de quem virou grande fã – Acervo Pessoal

Damião Dias Pinto espera que aqueles quartos sejam novamente ocupados por jogadores germânicos no ano que vem. A seleção olímpica da Alemanha está classificada para os Jogos do Rio de Janeiro, que terá partidas de futebol também em Salvador, e cogita repetir a experiência de sucesso de sua concentração na Copa do Mundo. Para temor de quem já foi goleado por 7 a 1 uma vez. “Rapaz… Do jeito que a Seleção Brasileira está, não sei, não”, advertiu o superintendente de Esporte de Santa Cruz Cabrália, torcedor do Bahia e amigo distante de Neuer.

Comentários
Carregando...