Três meses sim, três meses não!

Com pausa na Série A, dupla Ba-Vi ganha 2ª intertemporada em 2013

Quando a Série A do Brasileirão retornar, Bahia e Vitória terão acumulado quase três meses sem partidas oficiais em períodos alternados


O período de pré-temporada no Brasil é alvo de muitas críticas. Treinadores reclamam do pouco tempo para dar entrosamento às equipes, além de não conseguirem colocar os atletas na forma física ideal para a disputa de duas ou três competições ao mesmo tempo. Só que, em 2013, dois clubes brasileiros não podem reclamar de falta de tempo para treinar ou desgaste dos jogadores: com a pausa de um mês do Campeonato Brasileiro, Bahia e Vitória entram na segunda intertemporada do ano – a primeira foi após a eliminação precoce de ambos os times na Copa do Nordeste.

Quando a dupla Ba-Vi voltar a campo pelo Brasileirão, no dia 7 de julho, terão passado, no acumulado, quase três meses sem jogos oficiais nesta temporada. Por ter sido eliminado ainda na primeira fase do torneio regional, o Bahia terá mais dias de folga: são 83 ao todo, desde o início da pré-temporada, em 3 de janeiro deste ano. Já o Rubro-Negro, que foi até as quartas de final da competição, quando foi eliminado para o Ceará, conta com cinco dias a menos: 78, desde o início da pré-temporada, em 26 de dezembro do ano passado.

Leão engrenou

Pode-se dizer que o Vitória aproveitou bem a primeira intertemporada da qual dispôs. Após sofrer uma goleada de 4 a 1 em casa para o Ceará e ser eliminado ainda nas quartas de final da Copa do Nordeste, o Leão juntou os cacos e partiu com tudo para a disputa do Campeonato Baiano. O técnico Caio Junior implantou uma filosofia de jogo ofensiva, que preza pela troca rápida de passes e mudanças constantes de posição, principalmente entre seus jogadores de ataque.

Embora frustrante, a eliminação para o Ceará teve seu lado positivo. Foi ali que o comandante rubro-negro começou a modelar o time que viria a ser campeão estadual em 2013.

– Com a eliminação, eu tive a oportunidade de treinar, organizar a equipe. Conseguimos conquistar o título estadual muito por causa desse tempo em que pude dar uma identidade para o time – avalia.

Apegado ao esquema 4-2-3-1, Caio Junior conta com a habilidade dos argentinos Escudero e Maxi Biancucchi, que jogam aberto pelos lados, e a técnica do camisa 10 Renato Cajá, além do faro de gol do atacante Dinei. Com essa formação, o Vitória atropelou o Bahia – com direito a goleadas por 5 a 1 e 7 a 3 – e conquistou o Baianão com extrema facilidade.

Fiel adepto da máxima que diz que ‘em time que está ganhando não se mexe', Caio iniciou o Brasileiro com os mesmos jogadores e esquema que terminou o estadual. E o entrosamento, mais uma vez, fez a diferença. Com três triunfos, um empate e uma derrota, o Vitória largou bem na Série A e é o vice-líder da competição com 10 pontos ganhos. Com mais uma intertemporada pela frente, o discurso do treinador e dos jogadores é de que o time voltará ainda mais forte para a segunda parte da competição.

Bahia comemora sobre Internacional pelo Brasileirão

Com a missão de evitar uma crise iminente, o Bahia anunciou a contratação de Joel Santana em maio deste ano. A troca de técnico, porém, não surtiu o efeito esperado pelo presidente Marcelo Guimarães Filho. Com aproveitamento de apenas 42,8% – foram duas vitórias, três empates e duas derrotas –, ‘Papai’ Joel não conseguiu dar padrão tático ao Tricolor e foi demitido após nova goleada para o Vitória, dessa vez por 7 a 3.

Prestes a estrear na Série A do Brasileiro, a expectativa era a pior possível. Elenco abatido e torcida em protesto. Porém, o que poucos acreditavam aconteceu: Cristóvão Borges, quarto técnico a comandar o Bahia na temporada – Eduardo Barroca chegou a assumir o posto interinamente –, conseguiu implantar sua filosofia de trabalho e os resultados começaram a aparecer. Nos primeiros cinco jogos da competição, duas vitórias, dois empates e apenas uma derrota, que garantiram ao Tricolor o 8º lugar na tabela de classificação.

Entrar no recesso do Brasileirão na parte de cima da tabela pode dar a tranquilidade que o técnico Cristóvão Borges precisa para arrumar a equipe do Bahia. É como uma espécie de segunda chance, daquelas raras, que não deve ser desperdiçada. Para voltar bem, o técnico Cristóvão Borges pede reforços.

– Essa parada é fundamental e decisiva. Nós já chegamos aqui no Bahia pensando nela. É a oportunidade de preparar a equipe de maneira satisfatória. Começamos bem, mas ainda é muito pouco. O campeonato está só no começo. A equipe precisa ser reforçada. O grupo tem que ser maior – analisa o treinador.

Fonte: Rafael Santana – GLOBOESPORTE.COM

Fotos: Carlos Eduardo de Quadros – Agência Estado e ECB