Um problema de solução urgente

Bahia tem que recolher o FGTS se quiser manter os jogadores da base

Finanças, dinheiro, no Bahia é assunto de “caixa preta”, nada é dito ou explicado oficialmente. Mas sabe-se que o Tricolor vai precisar de muito dinheiro para regularizar o recolhimento do FGTS de todos os seus atletas das Divisões de Base, para não perder na justiça, como o lateral-direito Alef e o zagueiro Maracás, a maioria dos seus talentos. Mas a denúncia é de que o clube o Tricolor não recolhe o FGTS da Divisão de Base desde ano passado.

Através da assessoria de imprensa, o Bahia revelou que tem tomado atitudes, ações na Justiça do Trabalho, para preservar os jogadores da Base. Mas é certo que o clube deve, e como a lei é clara, não há muito o que fazer. Se existe o débito, mesmo que ela venha a ser pago, não garante ao clube os direitos federativos do atleta, se ele já deu entrada da ação pedindo a liberação por quebra de contrato, o não recolhimento do FGTS – Fundo de Garantia por Tempo de Serviço.

Através de recurso, o lateral-direito Alef, com mais de 50 convocações para a Seleção Brasileira, e o zagueiro Maracás, já estão livres e disputados no mercado do futebol, inclusive pelo rival Vitória, assim como aconteceu com o lateral-esquerdo Mansur, o Bahia perdeu o meia atacante Italo Melo e Guilherme. O clube chegou a dar entrada de um recurso, alegando que fez o recolhimento do FGTS, mas a Justiça do Trabalho deu parecer favorável aos jogadores que estão livres para assinar contrato com qualquer clube do futebol brasileiro.

As especulações apontam o mesmo caminho para o lateral-direito Madson, titular do time de profissionais com Cristóvão Borges, e o meia Anderson Talisca, campeão do Torneio de Toulon, na França, pela Seleção Brasileira.

Fonte: Tribuna da Bahia

Foto: Isto é Piauí