Mudança na base causa êxodo no Bahia

Mudança na base causa êxodo no Bahia

"As informações que obtivemos é de que nove atletas da categoria 99 saíram e quase todos eram titulares. Teremos que remontar essa categoria. Já a categoria 97 foram dois ou três atletas. A categoria 2000 parece que foram mais uns dois. São jogadores novos, que não podiam ter contrato, o que facilitou essa saída".

A denúncia é do novo Coordenador Técnico das Divisões de Base do Bahia, Nelsinho Góes, um dos novos profissionais que assumiram a Divisão de Base do clube Tricolor, a partir da saída do coordenador Newton Mota, e de vários outros profissionais que trabalhavam no Fazendão com os garotos do time baiano. Na entrevista divulgada pelo site Galácticosonline, o coordenador técnico das divisões de base do Bahia, Nelsinho Góes, falou sobre a saída de atletas do clube durante a mudança de comando no departamento, e revelou que o Tricolor precisará remontar algumas categorias.

A revelação do novo dirigente Tricolor não cita a perda de talvez dois dos maiores prejuízos financeiros do clube, que foi a perda do lateral-direito Alef, titular da Seleção Brasileira Sub-17, e do zagueiro Maracás, que reivindicaram o recolhimento do FGTS e ganharam o passe livre na Justiça do Trabalho. O departamento jurídico do Bahia ainda tenta recorrer da decisão da Justiça do Trabalho e recuperar os dois atletas. Para o novo Superintendente Carlos Anunciação, o “Carlão”, que substitui a Newton Mota, o Bahia terá que recorrer as “peneiras” em bairros da capital, interior, e em até outros Estados neste processo de remontagem das Divisões de Base do Bahia.

"As peneiras não podem ser desprezadas. São inúmeros exemplos no futebol de atletas que hoje fazem sucesso e surgiram nas peneiras”, explicou Carlão, que se mostra otimista com o projeto do novo Gestor de Futebol Profissional, Anderson Barros.

"Trabalho de base muita gente faz, mas política de base depende da interação com o departamento de futebol do clube. O Anderson fez uma coisa que eu nunca vi que foi pedir a gente pelo menos uma reunião por semana para tratar da base. Então, isso ajuda muito", completou o Superintendente, mostrando otimismo com a nova estrutura da “Cidade Tricolor”, em Dias D’Ávila, para ajudar na reconstrução das Divisões de Base do Bahia.

"O Bahia também terá um dos melhores espaços físicos do Brasil, com estrutura e campos de muita qualidade que é a Cidade Tricolor. Para se ter ideia, o Fazendão tem 1/3 da capacidade da Cidade Tricolor”, concluiu.

Tabela interativa da Série A: http://uniaotricolorba.com.br/tabelaseriea.asp


Fonte: Tribuna da Bahia

Foto: ECB