Postado por - Newton Duarte

Estalou! Após primeiro tempo apático, Guto Ferreira cita estalo para o triunfo do Bahia

O técnico Guto Ferreira sabe que o Bahia não fez uma grande apresentação em Aracaju. Ele falou justamente sobre isso na entrevista logo após o triunfo sobre o Sergipe, que garantiu à equipe o direito de avançar na Copa do Brasil. O Tricolor venceu por 2 a 0, gols de Régis e Diego de Rosa, em partida disputada na noite desta quinta-feira, no estádio Batistão.

O grande problema do Bahia, na opinião de Guto, foi a atuação aquém do esperado no primeiro tempo. Na volta do intervalo, após um “estalo”, o time começou a jogar e construiu o resultado.

- Vamos ser realistas, no primeiro tempo fomos muito aquém do que o Bahia vem jogando. Marcação longe, time espaçado, foco não estava o ideal. O meio tinha dificuldades de jogar. A defesa como espaçava percebia os jogadores lançados. O Jean teve um papel fantástico. Quando não foi ele, tinha alguém para corrigir os erros que aconteceram. Segundo tempo não começamos tão bem. Eles estiveram chance e deu o estalo. Tínhamos conversado para a equipe jogar mais perto, tocar a bola, a equipe foi crescendo, tomando conta, e a partir do gol do Régis, tomou conta de vez. O Bahia veio com volume alto, conseguiu o segundo gol, poderia conseguir o terceiro e até mais. Defensivamente foi sólido. Isso tudo é aprendizado. É um grupo que está amadurecendo junto. Que bom que mesmo tendo erros, o sistema defensivo não foi vazado, dá moral. E o ataque conseguiu produzir. Isso é positivo. No final, não foi um grande jogo, mas foi um triunfo importante – avaliou.

Com a equipe vacilando na defesa, coube a Jean a responsabilidade de garantir que o Bahia continuasse sem levar gols na temporada. E o camisa 1 foi devidamente elogiado pelo treinador tricolor.

- Acho que erramos muito. As tomadas de decisões foram falhas, erramos principalmente no último passe. O atraso na saída de bola. Os volantes na saída, à medida que acelerava, jogar mais rápido... Tudo porque o processo começa pelo posicionamento da marcação. Se a marcação não agride, a defesa não pode trabalhar alta. Se trabalha baixo, joga o campo todo para o adversário jogar. Aí não tem preparo físico que aguente uma equipe rápida como é a deles. Eles começaram a quebrar nossas linhas. Graças a Jean e Eduardo as coisas não aconteceram para o lado deles. Tivemos erros. No final, o triunfo sorriu para a gente graças ao crescimento da equipe. Tudo isso é processo. Levamos lições daqui que precisam ser corrigidas. O grupo está de parabéns pela humildade, de começar com ritmo mais baixo, perceber que precisa dar mais, produzir e se impor. O Bahia precisa jogar se impondo, controlando a partida. No primeiro tempo tivemos dificuldades, mas no segundo conseguimos – comentou o técnico.

Guto ainda explicou, mais uma vez, o esquema de rodízio que implantou no Bahia para a atual temporada.

- Se analisar bem, em determinado momento, se faz 112 partidas sem folga. Não tem como jogar as 12 partidas quarta e domingo. Não tem. Precisa ter esse perfil para, a cada três partidas, trocar dois ou três. E vai rodando para que o cara não corra risco de lesões. Pode fazer quatro partidas, mais que isso é loucura. Tem que ter intensidade. O time do Sergipe está rodando e consegue intensidade por causa disso. Nossa equipe correu por ser equipe de Série A? Também. Mas se jogasse direto, os caras estariam fazendo bico. Segunda partida seguida – afirmou Guto Ferreira.

O Bahia volta a campo neste domingo, pelo Campeonato Baiano, quando encara o Juazeirense. Pela Copa do Brasil, o Tricolor volta a campo no dia 25 deste mês, sábado de carnaval.

Fonte: Ge.com