Postado por - Newton Duarte

MS revela negociação com clube e conta detalhes da saída do Bahia

Apontado como culpado por muitos torcedores pelo mau momento do Bahia, Marquinhos Santos acabou demitido pela diretoria do clube. Ainda em Salvador, o técnico concedeu entrevista à Transamérica na noite desta segunda-feira (29) e se defendeu ao dizer que não foi o único responsável pelo não rendimento do time em campo.
 
"A responsabilidade cada um sabe da sua parcela. Lá no inicio houve um planejamento e eu falava que as dificuldades do Brasileirão, que devíamos ter feito um planejamento um pouco melhor, mais ousado. Entramos na Copa do Nordeste pra tentar ganhar. Acabou atrapalhando, porque não deu pra montar uma equipe e dar continuidade ao trabalho", disse.
 
O treinador explicou como foi sua demissão e o porquê de ter aceitado ser um interino dele mesmo na partida contra o Internacional. "Houve uma conversa depois do jogo com o Corinthians, de maneira clara. Fui comunicado que haveria uma procura por outro treinador. A questão foi ética minha, vi que não teria tempo hábil para trazer outro técnico e aceitei ficar no banco até tentando buscar a vitória contra o Internacional, para colocar o Bahia nos trilhos".
 
O ex-comandante garantiu não ter tido nenhum tipo de problema com Ocimar Bolicenho, também demitido do clube. "De maneira nenhuma, não tivemos nenhum tipo de problemas. Quando saiu essa notícia até rimos juntos. Trabalhei com ele no Atlético (PR) e nos reencontramos aqui no Bahia".


Já sobre Pará, Marquinhos Santos justificou o afastamento do lateral em alguns jogos. "O Pará é um atleta que ninguém, nem o pessoal do Bahia conhecia. Observando a base puxei para o profissional, acabei lançando, só que ele acabou cometendo algumas indisciplinas, é normal da idade. Ele cometeu atos indisciplinares e eu, também como um educador, não podia fazer com que continuasse. Ele ia acabar prejudicando o Bahia e a si próprio", explicou.
 
Já sobre seu futuro, o técnico revelou já estar em negociação com um clube do Brasil e lembrou que negou dos convites do futebol árabe para continuar seu trabalho no Esquadrão. "Por duas vezes eles vieram atrás, não aceitei porque não gosto de romper contrato. Mas, já no domingo o telefone tocou, me ligaram e não aceitei entrar em detalhes financeiros pois ainda estava no Bahia. Acredito que amanhã teremos um avanço", destacou.
 
Sobre um dia treinar o rival Vitória, Marquinhos afirmou que é possível, mas não agora. "Hoje não treinaria, até porque o Vitória tem um grande treinador que é o Jorginho. Mas, num futuro treinaria sim. O Vitória é um grande clube e tem uma excelente estrutura".
 
Ao concluir, o treinador mostrou não ter mágoas e revelou estar na torcida pelo Tricolor, e também pelo seu rival. "Acredito que o Bahia pode sair dessa situação. Sei do potencial do grupo. Não deu tempo de recuperar algumas situações erradas. Apos a saída de Talisca e Lincoln, não conseguimos encaixar a equipe. O ultimo jogo tivemos ate uma performance melhor. Agora, ficarei na torcida pelo Bahia e pelo Vitória. Temos que torcer pelo futebol da Bahia", encerrou. 

Origem : Galaticos Online